WordPress é puxado pelos usuários, e Drupal é empurrado pelos desenvolvedores. Qual é a melhor posição?

WordPress e Drupal são ferramentas essencialmente usadas para gerenciar conteúdo na web. Pense que é um sistema que não apenas entrega um site, mas que também oferece uma interface administrativa para administradores e editores poderem fazer alterações nos mais diversos componentes do site, sendo que, não é de surpreender, o principal intuito é administrar o conteúdo. Mais, ele oferece um sistema de "hooks" que permite a desenvolvedores extender as funcionalidades e administrar o tema, que é o conjunto de códigos e assets que detreminam a aparência do site. E para finalizar com as semelhanças, ambos são construídos com a utilização da linguagem PHP. Poderíamos dizer então que ambos são concorrentes, correto?

Porém, para eu que comecei a utilizar o Drupal para fazer sites (e a grande maioria das pessoas nesta situação se tornam fãs incondicionais desta ferramenta), o fato de que o WordPress representa quase 30% de toda web, segundo o site W3Techs, é um problema. O Drupal representa apenas 2,3% dos sites, menos de um décimo do uso do WordPress.

Mas nem por isso o desenvolvedor de Drupal baixa a crista. Ele estufa o peito e fala com todo orgulho que o Drupal é melhor que o WordPress. Há argumentos para isso. Grandes plataformas são baseadas em Drupal. Costuma ser um gerenciador com poucas incidências de falhas de seguraça (obviamento, estou considerando a questão proporcional). O Drupal é escalável e demora até ter problemas de desempenho, mesmo com uma grande quantidade de módulos aplicados a ele. Tolera um nível de extensibilidade muito maior que o WordPress e tem uma interface administrativa mais completa. E os métodos utilizados pela comunidade para mantê-lo o fazem extremamente confiável frente às diversas atualizações de códigos. Nunca tive problemas de uma ferramenta que parou de funcionar após uma atualização de um módulo. Sim, o Drupal é lindo.

Mas há um grande problema em todos esses argumentos: todos esses eles são técnicos. E obviamente, o Drupal tem seus problemas. Na verdade há apenas um problema no Drupal, e não é um problema qualquer: ele não é amigável.

Existe uma parte de ex-desenvolvedores de Drupal que, na contra-mão de quem está dentro da comunidade, nutre um ódio contra o Drupal (desculpa, mas não encontrei uma palavra melhor para descrever). Um olhar mais atento para essa mini-comunidade e percebe-se que esse ódio vem de uma grande frustração na hora de lidar com a ferramenta. Um Drupal recém instalado vem "cru", enquanto o WordPress já nasce como uma plataforma completa para publicação de conteúdos no formato de blog. As diferenças entre as plataformas começam aí: a proposta e a filosofia de ambas é diferente. O WordPress é uma ferramenta de blog. O Drupal é um sistema que está pronto para ser configurado para ser muito além de um mero publicador de postagens de blog. Até que o desenvolvedor se dê conta disto, ele já estará no meio de sua jornada do aprendizado de uma das duas ferramentas.

De forma resumida: o Drupal é amado pelos desenvolvedores e desprezados pelos editores. O WordPress é amado pelos editores e desprezado pelos desenvolvedores.

Dada a popularidade do WordPress e os desejos dos editores, o WordPress é uma ferramente que se vende sozinha. De fato, ele é amigável e simples se comparado com o Drupal.

Por maior que seja o orgulho que um desenvolvedor de Drupal tenha na hora de falar de sua amada ferramenta, todos eles têm uma frustração e angústia não assumida na hora de encararem a popularidade do WordPress. Já ouvi que de um drupaleiro que não são plataformas sequer comparáveis. Sempre tendo em mente as superioridades tecnicas do Drupal. Não deixa de ser uma verdade. Mas daí vem a pergunta: quem é que deve mandar na hora de escolher uma ferramenta? Quem tem o poder maior de escolher a ferramenta? E indo além: qual é a questão ética de oferecer um gerenciador de conteúdo baseado em Drupal, sabendo que no futuro o cliente terá uma gama de desenvolvedores muito menor para continuar o site se comparado com o WordPress?

Participei da última Drupalcamp em São Paulo e as coisas que os desenvolvedores estão fazendo pela ferramenta são incríceis. Sempre estão desenvolvendo de forma a manter um gerenciador de conteúdo alinhado com as novas tendências. Mostraram exemplos da utilização do Drupal para beacons, interação screenless, realidade aumentada, entre muitas outras coisas. Mas a meu ver, existe uma miopia nisso tudo: eles não estão atacando o verdadeiro problema do Drupal. Eles estão muito focados nas questões tecnicas do Drupal, e esquecendo o usuário e administradores.

Não tenho dúvidas de que o Drupal terá ainda uma longa vida pela frente. Mas ela não é uma ferramenta com a vocação de ser uma plataforma popular. Ela será uma plataforma de nicho, onde as questões técnicas irão falar mais alto. Mas as pessoas nem sempre precisam de qualidade tecnica para o seu projeto. Hoje, em que vivemos em uma era de startups, a questão da facilidade e do tempo são extremamente importantes. E o Drupal falha nesse quesito. Geralmente, a questão da agilidade é mais importante que a qualidade tecnica. A questão da qualidade tecnica é percebida a longo prazo, mas a capacidade de entregar uma solução é aquilo que é atingido primeiro na hora de satisfazer as necessidades de um pequeno empreendedor de nicho. Estamos vivendo em um mundo em que precisamos lidar com a questão da efemeridade. Talvez as coisas venha a cessar antes de que as questões tecnicas se tornem um problema. Até lá, é preciso que a plataforma tenha cumprido a sua missão da maneira mais competente possível.

 

Comentar